Terça-feira, 27 de Abril de 2010

O tom que reflecte as asas da borboleta a voar

Suas cores e odores poder ver, quiçá alcançar

Um som indefinível que quero perceber

O silêncio é maior e não me deixa perder.

 

Atraso as nuvens e o cinzento

Adianto o sol para o agora-momento

Branco… neve, tu que me trazes adrenalina

Porque gosto, sem ser minha veemente sina.

 

Sentindo o calor que do minuto frio advém

Transportando-me para o aqui no além

Lua, questiono? Não, aproveita o memorando

O que o “S” do(s) tempo(s) me vai ditando.



publicado por thoughtsandpoems às 01:06

Poema baseado num desafio do artista plástico Nuno Blochberger sobre ruínas. Está desalinhado propositadamente, queria mostrar como ele se auto-desenhava porque a imagem dele na minha mente estava algo parecido... assim:

 

 

Acordei.

         Olhei a minha volta e não encontrei…

                Não encontrei o que queria

                       E desatei numa correria.

                              Não sei de onde venho

                      Nem sequer para onde vou

                 Tenho até dúvidas de quem sou...

        E minha alma onde está? Será que voou?          

                Parei.

                      Passeei.

                                Observei.

                                              Cada rua, cada estrada segue em paralelo

                                                               As ruas anteriores ou vindoras

                                                    De povos nossos antepassados              

                                          Talvez ou não descuidados

                               Onde claramante se vê

                        Que deixaram rastos nestas pedras da calçada.

                   Todas elas antigas, mas tão actuais.

           Cada uma delas conta

                         Uma história

                               Uma situação

                                               Um momento

                                                       Um marco

                                                              Uma passagem

                                                                            Um retrato…

Uma tristeza, uma alegria

                               Uma solidão, uma companhia.

 

Quem passou já por aqui?

          Um rico, um pobre?

                     Pessoa simples ou nobre?

                            Cada uma com o seu valor

                                           Não importa a etnia ou a cor.

 

 

  Uma rainha, um rei?

            Será que não sei?

                     Um principe, uma princesa?

                             De forma impetuosa ou com delicadeza?

                                        Fogo de uma chama apagada   

                                                    Porque choveu e ninguém disse nada.

 

 

Esperem...

           Calma…

                     Visualizo uma sombra lá ao longe

                             Mas não consigo perceber se é…

                                         … um romano

                                              … ou um árabe, quiçá

                                                  … um homem da pré-história, será?

 

 

 

Um misto de todos eles

             A desencadear

                    A passar

                          A marcar

                                  A contar             

                                         A nossa história

                                                              Os nossos dias de hoje

                                                          Neste momento presente

                                            Estando nós no aqui

                            E no agora… ou no ausente

Ruínas de edifícios ou de memórias

        Qual montanha percorrida de glórias.

                     Corro mais um pouco e não vejo ninguém

                               Um vazio cheio de nada

                                               Trespassa-me a alma

                                                               Sinto um arrepio

                                                                              Um tremer

                                                                                              Um calafrio

 

 

Perco-me na brevidade do momento

 

 

                                    Deixo-me levar pela eternidade

                            Dos segundos marcantes

                   Seculares

          Milenares

Que fizeram, fazem e farão história.

         Ou não.

 

Será tudo isto em vão?

          Penso.

               Fico contente.

                       Fico triste.

                               O que já foi palco das vivências

                                           Das experiências

                                                       Únicas de alguém.

 

 

Do que já foi os bastidores

        De qual peça mais marcante

                       De criança

                                    De adulto

                                                De idoso

                                                          De teenager

                                                                           De simplório

                                                                                           De caprichoso.

 

 

Uma panóplia de emoções invade-me

         Invade-nos.

                  Tudo isso tornou-se agora ruína

                            Física, não-edificada

                                        Passada, mas não perdida

                                                    Deixada, mas não esquecida.

                                                                                                             

                              



publicado por thoughtsandpoems às 00:46
mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO