Terça-feira, 27 de Abril de 2010

O tom que reflecte as asas da borboleta a voar

Suas cores e odores poder ver, quiçá alcançar

Um som indefinível que quero perceber

O silêncio é maior e não me deixa perder.

 

Atraso as nuvens e o cinzento

Adianto o sol para o agora-momento

Branco… neve, tu que me trazes adrenalina

Porque gosto, sem ser minha veemente sina.

 

Sentindo o calor que do minuto frio advém

Transportando-me para o aqui no além

Lua, questiono? Não, aproveita o memorando

O que o “S” do(s) tempo(s) me vai ditando.



publicado por thoughtsandpoems às 01:06
Terça-feira, 27 de Abril de 2010

Poema baseado num desafio do artista plástico Nuno Blochberger sobre ruínas. Está desalinhado propositadamente, queria mostrar como ele se auto-desenhava porque a imagem dele na minha mente estava algo parecido... assim:

 

 

Acordei.

         Olhei a minha volta e não encontrei…

                Não encontrei o que queria

                       E desatei numa correria.

                              Não sei de onde venho

                      Nem sequer para onde vou

                 Tenho até dúvidas de quem sou...

        E minha alma onde está? Será que voou?          

                Parei.

                      Passeei.

                                Observei.

                                              Cada rua, cada estrada segue em paralelo

                                                               As ruas anteriores ou vindoras

                                                    De povos nossos antepassados              

                                          Talvez ou não descuidados

                               Onde claramante se vê

                        Que deixaram rastos nestas pedras da calçada.

                   Todas elas antigas, mas tão actuais.

           Cada uma delas conta

                         Uma história

                               Uma situação

                                               Um momento

                                                       Um marco

                                                              Uma passagem

                                                                            Um retrato…

Uma tristeza, uma alegria

                               Uma solidão, uma companhia.

 

Quem passou já por aqui?

          Um rico, um pobre?

                     Pessoa simples ou nobre?

                            Cada uma com o seu valor

                                           Não importa a etnia ou a cor.

 

 

  Uma rainha, um rei?

            Será que não sei?

                     Um principe, uma princesa?

                             De forma impetuosa ou com delicadeza?

                                        Fogo de uma chama apagada   

                                                    Porque choveu e ninguém disse nada.

 

 

Esperem...

           Calma…

                     Visualizo uma sombra lá ao longe

                             Mas não consigo perceber se é…

                                         … um romano

                                              … ou um árabe, quiçá

                                                  … um homem da pré-história, será?

 

 

 

Um misto de todos eles

             A desencadear

                    A passar

                          A marcar

                                  A contar             

                                         A nossa história

                                                              Os nossos dias de hoje

                                                          Neste momento presente

                                            Estando nós no aqui

                            E no agora… ou no ausente

Ruínas de edifícios ou de memórias

        Qual montanha percorrida de glórias.

                     Corro mais um pouco e não vejo ninguém

                               Um vazio cheio de nada

                                               Trespassa-me a alma

                                                               Sinto um arrepio

                                                                              Um tremer

                                                                                              Um calafrio

 

 

Perco-me na brevidade do momento

 

 

                                    Deixo-me levar pela eternidade

                            Dos segundos marcantes

                   Seculares

          Milenares

Que fizeram, fazem e farão história.

         Ou não.

 

Será tudo isto em vão?

          Penso.

               Fico contente.

                       Fico triste.

                               O que já foi palco das vivências

                                           Das experiências

                                                       Únicas de alguém.

 

 

Do que já foi os bastidores

        De qual peça mais marcante

                       De criança

                                    De adulto

                                                De idoso

                                                          De teenager

                                                                           De simplório

                                                                                           De caprichoso.

 

 

Uma panóplia de emoções invade-me

         Invade-nos.

                  Tudo isso tornou-se agora ruína

                            Física, não-edificada

                                        Passada, mas não perdida

                                                    Deixada, mas não esquecida.

                                                                                                             

                              



publicado por thoughtsandpoems às 00:46
Segunda-feira, 19 de Abril de 2010

 

Poema baseado no quadro "Samarra" do artista plástico Nuno Blochberger www.nunoricardo.eu

 

Um misto de cores e amores

De alma e de calma

Invade a minha própria

Calma e a minha alma...  

É possível?

 

O vermelho evocando amor e paixão

O azul transportando-me para o mar e sua imensidão

O amarelo atrai a energia e o sol revitaliza

O verde é esperança, equilibra e estabiliza

 

Laranja – o que dizer se não é fruto da árvore mas sim cor

E do roxo que tem imensos significados em seu redor

Preto do qual me trajo por vezes, sem ser de morte mas sim de mistério e dignidade

Castanho - Oh, planeta Terra: resistência, consciência, importância, simplicidade.

 

Tentando definir?

 

Samarra – cidade que fica no Iraque, não muito conhecida, mas por vezes visitada.            

Espaço de enorme beleza, Património Mundial, num país de confrontos. Porquê?

 

Samarra – praia no concelho de Sintra, fauna marítima diversificada, eventualmente alterada.

Pequena mas agradável, caminhando ao sol ou à sombra e ainda não te visitei. Porquê?

 

Samarra – o casaco quentinho que o meu avô costumava usar e que tão bem lhe ficava.

Saudades sim, querido avô - descansa em paz. Partiste e não voltaste. Porquê?



publicado por thoughtsandpoems às 12:24
Segunda-feira, 19 de Abril de 2010

Poema baseado no quadro "Renovação" do artista plástico Nuno Blochberger www.nunoricardo.eu

 

I

 

Caminhando por ondas de mudança tristes que passam a contentes

Por entre as pedras angulares que definem o indefinido

Testemunhas somos do nosso próprio destino

Ou então os protagonistas.

 

Haverá lugar para o infinito?

Vejo um olhar

Ouço um palpitar…

Vejo uma nova dimensão

Ouço uma diferente conjugação

Sei que a sabedoria me conduz…

Neste reboliço positivo

Nos vamos deixar perder e encontrar…

Eterno ou efémero?

É uma opção nossa.

 

 

                II

 

                Romper na escuridão

                E procurar a Luz

                Focar-me na renovação

                É um ritmo que me seduz!

                Na (i)matéria me sento

                No (in)consciente me deito

                Não nos atrapalhemos diante do novo alento

                E receberemos, no processo, o que é perfeito.

                Renovação do espírito e da mentalidade

                De algumas vivências e da (não) calma

                Enquanto indivíduos, enquanto sociedade

                Desenvolvendo o sorriso do corpo e da alma.

 

 

 

III

 

A minha gratidão manifestar

É meio caminho para o sucesso alcançar

Everything is upside down e por vezes é preciso

Leading us to the new sound  e não levar o indeciso.

 

Ver que afinal a fantasia tece o real e o realçar

É motivo para seguir em frente, marchar e lutar.

The new approach is wide e seus ensinamentos

Preparing us to the other side e seus sentimentos.

 

O azul dá-me enorme confiança

E o verde simboliza esperança

Por isso um (ou o outro?) se identifica como preferido

E não se deixa rotular de esquecido.



publicado por thoughtsandpoems às 12:07
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Espírito do mundo

Que a pessoa

Quer prender

Para quê?

Se te sentes

Sempre solto

E vagabundo

Fiel a ti próprio

À tua essência

À tua genuidade

Sem sentires fragilidade…

Muros a tua frente

Não queres ver,

Paredes impeditórias

Não queres ter.

Tua liberdade de novo alcançar

Outra vez a ti te queres devolver

E que em ti imaterial

E intocável queres manter.



publicado por thoughtsandpoems às 12:40
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Poema baseado no Quadro "Os Cegos" do artista plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

Preparar… arrumação

Questionar… desarrumação

Responder… satisfação

Ignorar… indignação.

 

Acolher… audição

Dizer… exposição

Aceitar… inspiração

Manter… saudação

 

Personalidade mantida?

Alma esquecida?

Por Deus?

Não, por nós…

 



publicado por thoughtsandpoems às 12:37
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Poema baseado no Quadro "Nadando" do artista plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

I

          Olá, Imenso… não te vejo o fim

Chega perto… Está muito calor

          Mar… Vou mergulhar

Estás presente… Para onde vão as pessoas?

          Calmo… Agora é que está agradável

Aqui… Caparica é o mar que escolhi

          Tuas ondas enormes ou calmas que banham nossos corpos, nossas almas

Guardião… de segredos e de desígnios, que escondes tu, afinal? Diz-me.

 

                                                                             

II                                                                   

          Sei nadar, sim e quero avançar

Nadando e sorrindo, é bom o refrescar

          Tão agradável e inocente que me aventurei

E depois vi que os limites ultrapassei

          Brilho que trazes luz e sonoridade

Hipnótico mas alegre na sua virgindade

          Mistério da ponte que foi estabelecida

E que de novo à terra minha pessoa foi conduzida

          E me salvaste… Como um Golfinho presente

Animal tão terno que inefavelmente apelido de coerente

          A ti e a mim certamente já aconteceu

E vimos a claridade ficar escura como breu

          Meu gesto impulsivo sei reconhecer

E estar de novo a salvo quero agradecer.



publicado por thoughtsandpoems às 12:30
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Poema baseado no Quadro "A Última Noite" do Artista Plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

A noite

Forma em forma

Uniforme o disforme…

Na última noite

Tudo poderia acontecer

Estar longe ou estar perto?

Recortar o que não quero da memória?

Ou colar o que é importante não esquecer?

Razão do coração?

Ou o coração da razão?

Vamos ouvir uma das vozes?

As duas? Nenhuma?

Firme. A balançar. A espreitar.

Inesperada…

Afinal desesperada…

Última noite

Último episódio.

Esquecido. Encontrado?

Assim esperado.



publicado por thoughtsandpoems às 12:27
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

 

Poema  baseado no poema "Esperança" do Artista Plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

                Espelho que reflecte um abraço na sua simplicidade

                Selo que marca e demarca a cumplicidade

                Passo dado em frente, suave mas com firmeza

                Especial, simples, pessoal, profissional, cheio de beleza

                Riqueza adquirir, conhecer o conquistar

                Ardente na cor, ternura no desabrochar

                Nada se compara a esta palavra que nos move e comove

   EsperanÇa

    ObrigadA



publicado por thoughtsandpoems às 12:23
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

Poema baseado no Poema "Fim de Tarde" do Artista Plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

 

Decidiu aparecer e já tardava

Chegou por si e por ser esperada

O horário é o seguinte para a partida:

Não há minuto marcado para a chegada.

 

No campo verdejante

Ou na praia ainda com sol

Natureza potente e que se impõe

Sem que nada possamos fazer…

É essa mesma beleza

 Dessa mesma Natureza

Que sustenta o Universo

Tão uno… tão disperso

Divina Rainha

Divino Deus

Luz tão forte

De repente torna-se soft

 

Dia… tarde… fim de tarde… noite

As folhas do livro das árvores folhear

Qual flor que desperta e é mais subtil

Que recebe a pétala do último raiar…

 

 



publicado por thoughtsandpoems às 12:17
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

 

Poema baseado no Quadro 2010 do Artista Plástico Nuno Blochberger (www.nunoricardo.eu)

 

 

A  palavra surge tal como a realidade patente.

Olho e não vejo o outro contente…

 

Crise: significante acompanhando o significado

Por vezes não estamos bem conscientes e eis…

… o desgosto reflectido, o desespero espelhado

Bem visível num rosto, um pouco até… amargurado.

 

Fico triste…

Quietude ou turbulência?

Um dos dois (ou ambos!)

Levam-nos a avaliar a essência.

 

E como já “alguém” dizia: “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades…”

Mas … e a vontade de ser feliz? Também mudou? Não me parece.

A crise apareceu. Ninguém a encomendou nem ninguém a chamou,

Mas ela está aí é certo. E trouxe uma nova visão, uma nova era talvez.

 

E nós?

 Correndo ou apenas caminhando

                               Vendo ou também contornando

                               Sobretudo ultrapassando

                               Obstáculos e barreiras

                               Muros e fronteiras

Não importa…

… importa sim lembrar que 2010 é e será um ano de mudança.

Fico contente! Estou convicta e… há que ter confiança!

E vamos querer ser felizes? Parece-me bem que sim…



publicado por thoughtsandpoems às 11:21
Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

 

Poema basedo num desafio do Artista Plástico Nuno Blochberger - www.nunoricardo.eu

 

 

 

Cerram-se os nossos olhos só se não quisermos ver

Reencontrando a força que brota de nós

Interrompendo o papel da frustação -  isso é viver

Sendo primordial LUTAR em grupo ou até mesmo sós

Encontrando o que realmente importa: mudar e saber.

 

Findaram as formas de se queixar

Sabemos que ninguém vai indemnizar

As peripécias pelas quais o caos nos passou

E que bem real e não abstrato nos ficou.

 

Não nos é curta a memória

E a falta de tudo fica na história:

Não conseguimos comprar os bens materiais

Porque nos levaram o emprego e as respostas espirituais.

 

Assoma-se uma placidez desejada

Depois da tempestade vivenciada

Enobrece-se ou pesa o caminho que temos que trilhar

Sem saber o que dizer, 2010: por onde iremos passar?

 

Os foguetes do alvorecer simbolizam a mudança

E o mundo pede já que pode começar a Biodança

Esses gestos magistrais para ninguém se esquecer

Que as janelas do horizonte mostam, finalmente, a luz que queremos ver…

 



publicado por thoughtsandpoems às 11:13
mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO