Terça-feira, 27 de Abril de 2010

O tom que reflecte as asas da borboleta a voar

Suas cores e odores poder ver, quiçá alcançar

Um som indefinível que quero perceber

O silêncio é maior e não me deixa perder.

 

Atraso as nuvens e o cinzento

Adianto o sol para o agora-momento

Branco… neve, tu que me trazes adrenalina

Porque gosto, sem ser minha veemente sina.

 

Sentindo o calor que do minuto frio advém

Transportando-me para o aqui no além

Lua, questiono? Não, aproveita o memorando

O que o “S” do(s) tempo(s) me vai ditando.



publicado por thoughtsandpoems às 01:06
mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO